segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Aprendendo com a história: Bendizer segundo os custumes Judaicos.


Para os judeus, o dia é repleto de orações e bênçãos - berachot, em hebraico. Ao acordar, começam o dia abençoando a D'us por nos ter devolvido a alma, após o intervalo do sono; e o terminamos, à noite, agradecendo-Lhe por todos os atos de bondade que recebemos durante o dia. Em outras palavras, há bênçãos para cada um dos eventos e ocasiões do ciclo da vida judaica. Há berachot específicas para as cerimônias religiosas, casamentos, Brit Milot - circuncisões, Pidyon Haben - resgate dos primogênitos, ou para o Kidush e as festas judaicas.
Além dessas, Os sábios Judeus instituíram diversas outras bênçãos de louvor ao Eterno, de acordo com as diferentes situações em que se encontram, e estas se dividem em três categorias. Uma destas compreende aquelas bênçãos que é proferido antes de realizar qualquer mitzvá, como por exemplo, ao colocar o Talit e o Tefilin, ou antes de acender as velas de Shabat ou Chanucá, antes de comer Matsá, de ouvir o Shofar ou de sentar na Sucá, para citar algumas. Outra categoria é a das bênçãos que proferem antes de ingerir qualquer alimento ou bebida, ou de cheirar alguma fragrância agradável. Há, também, as de louvor, instituídas especificamente para louvar e agradecer o Eterno em todas as situações. Nesta categoria incluem-se a maioria das bênçãos proferidas nas orações e, também, aquelas que são recitadas quando testemunhamos fenômenos naturais, como os raios e trovões, o arco-íris, a lua nova, ou ao completar o ciclo do sol, entre outras.
De modo geral, cada bênção interliga e conecta o homem com seu Criador. Quando proferimos uma delas, segunda a lei Judaica ,na realidade estamos reconhecendo e testemunhando que D'us é o Criador do Universo. Através das berachot, agradecemos por Ele prover todas as nossas necessidades e fornecer nosso sustento. Louvamos, também, a magnitude de Suas obras e admitimos que Ele é a Fonte de todos os acontecimentos naturais.
Fonte extraida:MORACHÀ-Rabino Avraham Cohen é rabino da Sinagoga Beit Yaacov

O diaconato à luz do Novo Testamento:Eles nem sabem o que seja ser um diácono.


''Sei que o diaconato é uma ordenança divina, mas hoje, quando se fala nesse cargo a maioria das pessoas só pensa em alguém para cuidar da ordem dos cultos.”
Origem
No Novo Testamento os diáconos apareceram pela primeira vez na igreja de Jerusalém. Conforme vemos em Atos 6:1-6, as viúvas helenistas estavam sendo esquecidas na distribuição diária. Uma murmuração começou a surgir. Fazia-se necessário tomar prontas medidas para restaurar a paz e a harmonia entre os cristãos.Foi então surgiu um método pelo qual os apóstolos poderiam ficar isentos da tarefa de repartir com os pobres ou tarefas similares, pois deviam ser deixados livres para pregar a Cristo.” Assim surgiu o ofício cristão do diaconato. “Sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria”, foram escolhidos para auxiliarem os apóstolos. A decisão agradou a igreja. Após a imposição das mãos, saíram eles para cumprir sua função. Sabemos que fizeram um bom trabalho pelos resultados que se seguiram: “crescia a palavra de Deus e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos, também muitíssimos sacerdotes obedeciam a fé” (Atos 6:7).
O termo no Novo Testamento
Em Atos 6:2 lemos: “Então os doze convocaram a comunidade dos discípulos e disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus para servir às mesas”. Aqui encontramos a palavra diakonein que significa “servir”, particularmente “servir as mesas”. Este é o significado original da palavra “diácono”, embora a própria palavra não seja aqui usada. O conceito de servir expresso por esta palavra é bastante esclarecedor. Representa um serviço feito em genuíno amor, uma atividade significativa para a edificação da comunidade.
E esses oficiais atendiam as necessidades individuais dos membros bem como os interesses financeiros da igreja. Sua atuação foi muito importante para manter a igreja unida. As igrejas primitivas eram sociedades de caridade, tomando conta das viúvas e órfãos, dispensando hospitalidade aos estrangeiros e aliviando as necessidades dos pobres. A tarefa dos diáconos era atender as necessidades dos pobres e dos doentes. E infelizmente não é isso que estamos vendo nas igrejas atuais.
O objetivo claro na eleição dos primeiros sete diáconos foi a promoção do bem-estar dos que faziam parte da igreja. Os membros precisavam e ainda precisam saber que são amados e apreciados de uma maneira real. Necessitam ser atendidos em suas necessidades básicas de alimento, vestuário e moradia. Algumas vezes necessitam instrução e encorajamento. Os diáconos nisto podem prestar excelente serviço.
(Extraido do site Equipe Biblia.com.br)

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

COMO A TRINDADE DESENVOLVEU-SE NA DOUTRINA CRISTÃ- HERESIAS DA FÉ


Embora o Concílio dos Bispos tenha aceitado o Credo Niceno, não havia menção à Trindade. A controvérsia sobre a natureza de Jesus continuou por várias décadas. No ano 381 d.C. um segundo Concílio Ecumênico se reuniu em Constantinopla20. Este conselho adotou o Credo Niceno afirmando que Jesus e Deus eram co-iguais, co-eternos, e da divindade do Espírito Santo. A doutrina da Trindade veio a ser formalmente estabelecida como a pedra angular da fé cristã para os próximos quinze séculos.

O Imperador Teodósio fez da crença no cristianismo uma questão de decreto imperial: "Queremos que todos os povos governados pela administração da nossa clemência professem a religião que o divino apóstolo Pedro deu aos romanos,... Cremos na divindade única do Pai, do Filho e do Espírito Santo sob o conceito de igual majestade e da piedosa Trindade. Ordenamos que tenham o nome de cristãos católicos os que sigam esta norma, enquanto os demais os julgamos dementes e loucos sobre os quais pesará a infâmia da heresia. Os seus locais de reunião não receberão o nome de igrejas e serão objeto, primeiro da vingança divina, e depois serão castigados pela nossa própria iniciativa que adotaremos seguindo a vontade celestial." 21

Posteriormente, também a doutrina da veneração de Maria como a "mãe de Deus" e "genitora de Deus", foi formulada no Concílio de Constantinopla (553 dC), e o título de "Virgem Maria" foi adicionado. "Nas orações e hinos da Igreja Ortodoxa o nome da mãe de Deus é invocado na mesma proporção que o nome de Cristo e da Santíssima Trindade"... "Na doutrina católica, Maria, a mãe de Deus, foi identificada como a figura da Sabedoria divina. O processo de deificação da mãe de Deus deu um passo adiante aqui, em que Maria é tratada como uma hipóstase divina (a substância). A figura da Sabedoria divina.” 22

 (Depois a continuação do tema....)

(A Doutrina da Trindade é Realmente Divina? M. A. C. Cave,Traduzido por: R. S. Reinboldt)

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Todo herege se baseia na Bíblia


Para muitas pessoas o herege é aquele que não dá valor a Bíblia Sagrada, que rasga versículos ou não quer saber de religião, muito pelo contrário, na história da Igreja os hereges surgem da comunidade cristã e utilizam as Sagradas Escrituras para defender a sua heresia, estas pessoas se baseiam em textos bíblicos e fazem uma leitura fundamentalista, situação muito comum até hoje.


Não é atoa que o tentador ao tentar Yashua no deserto se utilizou das Escrituras para tentar induzir Yashua ao erro quando disse: “Se tu és o filho de Yahu, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces com teu pé em alguma pedra” (Mt 4.6). Sabemos é claro que Yashua também se utilizou das Escrituras para responder o tentador: “Disse-lhes Yashua: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Yahu”. Temos aqui um conflito, a pergunta é: como interpretar as Escrituras? Percebemos que o tentador se fundamenta em um versículo para tentar levar Yashua ao erro, ele, utiliza-se da mesma Escritura de forma coerente, de forma correta. (Mt 4.1).


O que precisa ficar claro até aqui é que citar um texto bíblico ou se basear em textos bíblicos para justificar as ações não significa fazer o que é certo, não quer dizer “obedecer ao Eterno”. Entenda, até o tentador utilizou-se de passagens bíblicas para tentar induzir Yashua ao erro, é óbvio que hoje em dia o que mais ocorre são pessoas se utilizando das Escrituras de um jeito errado, induzindo pessoas ao erro!


Afinal, o que eu quero dizer com tudo isso? Quero mostrar a você como um trecho da bíblia pode haver acréscimos e que a partir dessa constatação,  ocorre as heresias e confusões. Quero principalmente com isso,não trazer confusões,mas fazer você pensar,sair do lugar comum, e a tirar suas próprias conclusões,e parar de ter uma fé burra, e de ser uma ''maria vai com as outras''. Um forte abraços a todos e aguardem novidades sobre este assunto em questão.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Toda a Bíblia é inspirada por Deus ou só alguns pedaços?


''Sou Evangélica (33 anos) desde em que nasci estudo a Bíblia e encontrei muitas contradições: por ex. Esdras 2,15 e Neemias 7,20 Sei que a Bíblia é inspirada por Deus. Mas... Quero Saber o seguinte: inspirada quer dizer soprada, então seria em todos os livros Deus fala através de alguns versículos nos quais diz: assim diz o senhor...... E os outros versículos escritos por homens capacitados por Deus. Entendo que a humanidade é falha. No livro de Apocalipse não há contradição, pois este livro foi todo inspirado pelo o Espirito Santo''.(Marta de Ituberá - BA).



Como entender a inspiração bíblica?
Para responder sua pergunta podemos ter como ponto de partida uma imagem que foi utilizada por muito tempo.Se acreditava que a Bíblia fosse em sua totalidade ditada pelo eterno e os hagiógrafos, como foram chamados os que escreveram o texto bíblico, simplesmente colocavam no papel as palavras que ouviam do nosso soberano Yahu.
Um grande número de crentes, acreditavam nesta possibilidade, e nunca contestaram, mas existia um grupo de pessoas que rejeitavam está maneira de entender e passaram ter uma rejeição completa a Bíblia.
A Bíblia seria um livro ditado pelo Eterno?
Do período histórico da Idade Media, encontramos imagem que representa este pensamento. Nesta época os autores da Bíblia eram representados tendo no ombro uma pomba, representado o Espirito Santo que “sopra” o texto para o autor escrever.
Podemos criar então a imagem que a inspiração Bíblica seria como uma ligação telefônica direta do autor bíblico e Deus.
A Bíblia livro de Deus mas também dos homens?
Só mais recentemente passamos acreditar que o texto bíblico tem colaboração humana. O autor deixa nos textos suas marcas e características. Entendendo melhor, no texto bíblico encontramos o modo como o autor vê o mundo, sua cultura e agilidade no escrever, a história que cercava o ambiente em que foi escrito o livro bíblico.
Resumindo:podemos depois de tudo, afirmar que a Bíblia é o livro de Deus e dos homens. Mas seria sábio dizer que o texto sagrado foi escrito por ambos?. Yaweh e homens fazem parte da história bíblica. O home dá sua colaboração no texto que é colocado no papel que forma todos os livros sagrados? E que que é o criador anima a vida?
Este será os nossos próximos assuntos. O que pode ser verdade e o que foi alterado nos ditos livros inspirados. 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Esquisitice Gospel


Uma cantora famosa que cobrara "X" para cantar numa igreja, no entanto, a clausula contratual, afirmava claramente que se a igreja desejasse que ela cantasse canções do seu novo CD, o preço seria "Y". Tem gente, cobrando 5, 6 até 10 mil Reais por "ministração"!


A situação anda tão deprimente que já existe fã-clube de artista gospel.
Vejam a que ponto chegamos: 


Bonde do Ungidão


Quer mudar, quer mudar, Ungidão vai te ensinar
Eu vou passar óleo na mão, Vou sim meu irmão
Vou ungi você varão, Vou sim, vou sim
Orando de hora em hora, Vou sim ,vou sim
Conquistar sua vitória, Agora, agora
Eu vou passar óleo na mão Vou mostrar que o ungidão
O senhor é Jesus Cristo
Então desperta, desperta, É o Bonde do Ungidão
Segure a Bíblia e levante a mão, É o bonde do ungidão
Quer mudar quer mudar, Ungidão vai te ensinar
Só as varoas / hú,hú,hú,hú,hú
Abençoadas / hú,hú,hú,hú,hú,hú
Varões de guerra / hú,hú,hú,hú,hú,hú
A igreja toda / hú,hú,hú,hú,hú,hú   


                                      ATOS PROFÉTICOS E COBERTURA APOSTÓLICA

Significa declarar profeticamente que os demônios serão amarrados, desbaratados etc. Muitos cristãos não podem fazer nada sem antes contar para o seu apóstolo. Até os mínimos detalhes. Determinada pastora pregou num culto que tinha que esfaquear um caixão com pedaços de papéis contendo os pecados dos crentes e dizer que aquilo era um ato profético e a partir dali Deus reverteria a sorte do Brasil.


Isso não passa de mais um modismo! Esses atos proféticos estão baseados na crença de que o cristão faz ou diz, tem repercussão no mundo espiritual. Alguns chegam a blasfemar ensinado que assim como Deus, pela sua palavra falada, trouxe todas a coisas a existência, da mesma maneira, nós como sua imagem, podemos trazer coisas à existência pelo poder da palavra falada. Esse ensino é uma blasfêmia idolátrica, que procura assemelhar o homem a Deus. Esses atos proféticos normalmente tem como objetivo, “conquistar” cidades ou nações para o Reino de Deus. A palavra de Deus nos ensina a ganhar almas para o Reino de Deus através da pregação do evangelho de Jesus Cristo, e não através de “declarações de posse” ou de “orações reivindicatórias”.

Líderes de diversas comunidades ligadas ao G12 e ao apostolado contemporâneo, estavam planejando uma série de “atos proféticos” para a redenção do Brasil até 2007, o ano anunciado por Valnice Milhomens para o retorno de Cristo. O primeiro desses atos foi feito na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte e o ultimo estava marcado para ser em Porto Alegre. Sinomar Ferreira falando sobre esses atos proféticos declarou: “Os atos proféticos são extremamente importantes, por que aquilo que é feito aqui na terra tem repercussão no céu”. Isso mostra o caráter herético de tais atos, pois insinua que podemos manipular o mundo espiritual. Crença parecida com as dos Bruxos da Nova Era que acreditam poder manipular as forças da natureza através de palavras mágicas e encantamentos. [Vide o livro "A Sedução do Cristianismo" de David Hunter.

REFUTAÇÃO: 

O Eterno não depende das palavras dos homens para agir. Adonai é e sempre será Soberano. Soberania é o atributo pelo qual o Eterno possui completa autoridade sobre todas as coisas criadas, determinando-lhe o fim que desejar (Gn 14.19; Ne 9.6; Ex 18.11; Dt 10.14-17; 1Cr 29.11; 2Cr 20.6; Jr 27.5; At 17.24-26; Jd 4; Sl 22.28; 47.2,3,8; 50.10-12; 95.3-5; 135.5; 145.11-13; Ap 19.6).
Já imaginou um Deus que depende do homem para agir? Com certeza Ele entraria em enrascada se estivesse sujeito às oscilações da vontade humana. .Creio apenas no Deus da Bíblia que “tudo faz como lhe apraz”. (Sl 115.3).

(EXTRAI DO BLOG ATALAIAS DE CRISTO)           
                                                                    

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Reflexão para hoje: Heresias do mundo Gospel

Hoje, nos dias que se segue, estamos vivenciando muita coisas acontecendo no meio evangélico que nos deixa boquiabertos com tanta esquisitices e atitudes  fora do contexto espiritual e bíblico. Principalmente no meio pentecostal. Profecias para inflar ego do cristão,  impostação da voz para dar mais credibilidade ao pregador. E e igreja que não grita ,è uma igreja fria, e "Deus quer ouvir  você dizendo que ele è grande". Quanta bobagem! Deus  Eterno è Deus, independe de gritar ou não (Isaias  59:1). Deus è Deus YHWH. Achar que O Eterno age como nós, com vaidade,egocentrismo è ter uma ideia tola e infantil.  A medida que o tempo passa, que possamos crescer na graça e no conhecimento e não vivermos praticando um evangelho sem signinificado prático e real no nosso dia-a-dia. Shalom.

Aprendendo com a história: Bendizer segundo os custumes Judaicos.

Para os judeus, o dia é repleto de orações e bênçãos - berachot, em hebraico. Ao acordar, começam o dia abençoando a D'us por nos ...